Finanças Antifrágeis – A simplicidade da antifragilidade por aquele que previu a crise de 2008.

O mundo moderno se apresenta de forma tão assustadoramente complexa e complicada que por vezes temos a sensação de que não há nada que possa ser feito para compreendê-lo, ou muito pouco para tal.


"O mundo moderno se apresenta de forma tão assustadoramente complexa e complicada"

O mundo das finanças não é diferente e também sofre dessa percepção assustadora. São inúmeros cálculos para se compreender o retorno de um projeto, mais ainda são as variáveis necessárias para se compreender o risco de um investimento.


Porém, há uma ideia nova que circula no meio empreendedor e executivo, que é de compreensão e execução simples. Essa ideia chama-se: antifragilidade.


"Porém, há uma ideia nova que circula no meio empreendedor e executivo, que é de compreensão e execução simples. Essa ideia chama-se: antifragilidade".

A Antifragilidade


A antifragilidade, proposta em 2015 pelo autor Nassim Nicholas Taleb propõe uma nova forma de percepção e assunção de risco, sejam eles financeiros ou não. De acordo com o autor, não é uma ideia nova, mas sim um resgate e uma nomenclatura adequada e necessária para que a ideia atinja o status de teoria.


Nassim Nicholas Taleb

Para entendermos o conceito de antifragilidade, vamos primeiro entender o seu oposto: o frágil.


O frágil é aquela postura, ou característica em que algo ou alguém se prejudica ou quebra diante de uma situação inesperada. Uma xícara é frágil a queda, um organismo vegetal é frágil diante de um incêndio, um animal é frágil diante de uma seca, ao passo que uma organização é frágil a crises em seu mercado.


Uma xícara que cai irá quebrar.
Powered by: pixabay.com

"(...) o antifrágil é aquele que não está exposto aos riscos de eventos cataclísmicos, portanto, não será extinto".

O frágil é aquele que se rompe e deixa de existir frente a determinadas situações.

Além do frágil, existe o robusto, que está tão exposto à fragilidade quanto o frágil, porém, consegue apresentar certa resistência, porém, não se tornando melhor no processo. Robusto é a xícara que cai no chão e nem sequer trinca, porém, não se tornou uma xícara melhor e poderá quebrar na próxima queda; ou uma árvore que queima parcialmente e ainda continua viva, porém, ainda vulnerável ao próximo incêndio.


O que Taleb propõe é algo completamente diferente. Ele afirma que o antifrágil não é o oposto de frágil: robusto. Sua ideia é completamente nova no sentido que o antifrágil é aquele que não está exposto aos riscos de eventos cataclísmicos, portanto, não será extinto. O antifrágil é uma xícara de borracha que, apesar de cair, não irá quebrar jamais. Ela está preparada para o evento que é um desastre para quase todas as xícaras: a queda. A esse evento de desastre o autor chama de Cisne Negro.


Organização antifrágil


Nesse sentido, as organizações antifrágeis são aquelas que não se expõe aos Cisnes Negros Negativos, mas apenas se expõe a volatilidade comum do mercado em que atuam. E o autor também afirma que a exposição à volatilidade é um ingrediente comum a tudo aquilo que é antifrágil, pois, é a na exposição à volatilidade que as organizações encontram ganhos.

"as organizações antifrágeis são aquelas que não se expõe aos Cisnes Negros Negativos"

Dessa forma, uma organização antifrágil é aquela organização que se protege dos eventos realmente perigosos; os Cisnes Negros Negativos, e se expõe à volatilidade comum e cotidiana de seus mercados do qual advém seus resultados.


Portanto, uma organização bem administrada é aquela que apenas se protege de eventos catastróficos, e não aquela cheia de técnicas de gestão que visam apenas a eliminação de volatilidade que não representam ameaça alguma.


Atualmente, as organizações fazem o oposto: procuram se proteger das pequenas volatilidades de seus mercados, ao passo que se expõem aos eventos que podem levar à falência.


Finanças Antifrágeis


Muitos bancos quebraram durante a crise de 2008 justamente por estarem endividados demais. Eles não perceberam o principal risco (Cisne Negro Negativo) de um banco: um volume enorme de pessoas querendo sacar seus recursos em um curto espaço de tempo. Ora, é exatamente isso o que acontece quando uma economia está em crise.


Sendo assim, a essência das Finanças Antifrágeis é a capacidade de honrar suas obrigações quando muitos estão sacando, ou não estão comprando seus produtos. Nesse sentido, é antifrágil manter o nível de endividamento baixo, ou inexistente, pagando suas obrigações sempre à vista.


Powered by: pixabay.com

"Finanças Antifrágeis é a capacidade de honrar suas obrigações quando muitos estão sacando, ou não estão comprando seus produtos".

Alguns aspectos que podem ajudar você ou sua empresa a serem financeiramente antifrágeis:


  • Manter o endividamento baixo: em situações de crise, você não terá obrigações a pagar que superam seus direitos de receber;

  • Controlar o Fluxo de Caixa: saiba exatamente quando e quanto entra e sai de dinheiro no bolso de sua empresa, isso vai lhe ajudar honrar suas obrigações em tempo hábil em caso de Cisne Negro Negativo;

  • Conhecer com exatidão o valor de seu patrimônio (ativo e passivo): para usá-los em caso de liquidação para pagar eventuais obrigações;

  • Manter um volume de estoque justo: estoques elevados são custosos, porém, mantém a organização de pé em situações de crise;

  • Ter bons instrumentos de gestão de gastos: gastar desnecessariamente expõe a empresa a pagar mais obrigações desnecessárias e;

  • Ter boas políticas de gestão de crédito e cobrança: que visam garantir que os pagamentos serão pagos e os recebimentos recebidos.


Vale lembrar que o que foi proposto por Taleb vai de encontro as práticas atuais que aprendemos no mercado e nas universidades, porém, a ideia não é sequer uma teoria ainda e carece de mais estudos, porém, é simples e faz todo o sentido.


E você? A sua empresa pode se considerar hoje financeiramente antifrágil?


Lembre-se: os eventos negativos são raros, mas sempre acontecem, e quando acontecerem é melhor sua empresa ser antifrágil.


Tiago Alves Costa, CEO UP-SOLLUTION Consultoria Financeira e Educação Corporativa


13-maio- 2019.

32 visualizações0 comentário